Telemetria Por Satélite

 

A telemetria satelital permite o acompanhamento das baleias em tempo quase real através do Sistema Argos. Uma vez fixado nos animais, os transmissores passam a enviar sinais de radio em períodos pre-programados. Esses sinais são recebidos por satélites, decodificados e convertidos em posições geográficas. O satélite então transmite esta informação para estações em terra que a distribuem para os pesquisadores.

Ao longo dos anos, diversos tipos de transmissores da Wildlife Computers foram utilizados pelo PMBS. Atualmente, transmissores implantáveis são empregados. Eles são chamados implantáveis porque penetram o corpo das baleias e se fixam abaixo da pele e da camada de gordura. Esses transmissores apresentam dois componentes principais, o sistema de ancoramento e o pacote eletrônico. A função do sistema de ancoramento é garantir a fixação do transmissor no tecido subcutâneo dos animais, enquanto o pacote eletrônico contem os componentes responsáveis pelo funcionamento do transmissor e envio de sinais aos satélites.

A fixação dos transmissores satelitais é feita com uma haste de fibra de carbono ou com um rifle de ar comprimido. A região dorsal das baleias é o local mais adequado para a colocação do transmissor pois permite que ele fique exposto por períodos mais prolongados garantindo uma melhor qualidade nas transmissões. Quando as baleias estão submersas o transmissor permanece desligado. No momento que os animais vem à superfície, um sensor detecta que o transmissor esta exposto ao ar e ativa as transmissões. Os sinais de radio são enviados através de uma antena situada na extremidade posterior do transmissor.

Você sabia?

Os satélites do Sistema Argos, que são usados no nosso projeto, são capazes de receber transmissões até 850 km distantes da Terra. As frequências são recebidas em forma de dados sobre latitude e longitude, e disponibilizadas via web para os pesquisadores (veja).

IMG_3356

Deployment of a satellite transmitter

using a modified pole.